PL Mulher SP

25 de Julho Homenagem a Mulher Negra Latino Americana e Caribenha e Tereza de Benguela

Lourdes Toledo dos Santos, assistente social e presidente do PL Mulher de Mairiporã, tem uma história de superação que marca a sua vida. Ativista fiel do Movimento Orgulho Negro de Mairiporã trabalha, incansavelmente, para regatar, valorizar e divulgar a Historia e a Cultura Afro.

De infância muito pobre, ela
precisou trabalhar ainda criança para ajudar na renda familiar. Foi a primeira da família a ter curso superior, e, hoje, Lourdes relata que tem filhos e sobrinhos formados, da qual se orgulha muito por servir de exemplo.

Lourdes enfatiza que trabalha para combater as inúmeras formas de racismo que acomete a sociedade diariamente, com ações de discriminação, exclusão, preconceito, violência e genocídio. Ela cita como exemplo o racismo estrutural que inviabiliza a inserção das mulheres, especialmente negras, no mercado de trabalho.

Ao longo dos anos, Lourdes acredita que as mulheres vêm conquistando seu espaço, seja na esfera privada quanto na pública, mas acredita que, apesar de tantas conquistas, elas ainda lutam por respeito, reconhecimento e equiparação salarial. Até pouco tempo atrás, ressalva, a mulher negra não tinha direito de fazer escolhas, tampouco de aprender a ler e a escrever. Muitas dessas conquistas se devem as lutas de ancestrais, entre elas, Lourdes cita Teresa de Benguela, que travou uma batalha importante nos movimentos da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha.

“No atual contexto ser mulher negra ainda é sinônimo de viver diariamente a luta por liberdade de escolhas, luta por espaços e direito a voz, sem que sofra algum tipo de retaliação, discriminação ou apagamento. Ser mulher negra é ser resistência, força, coragem, resiliente, empreendedora e empoderada”, diz Lourdes.

A frase preferida de Lourdes é: “Precisamos encorajar outras mulheres à se atreverem a mudar o mundo”. (Chimmanda Ngozi Adchie).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.